Declaração de voto

O texto abaixo não é meu, resolvi copiar algumas partes pois gostei dele e os critérios para a escolha coincidem fortemente com os meus. No final eu revelo o autor para que vocês possam ler e analisar o conteúdo sem preconceitos quanto à pessoa:

Você não sabe em quem votar? Eu sei. Mas reconheço o seu direito a uma escolha, e, caso o seu voto não coincida com o meu, não vou pedir demissão(…) nem sair por aí voando na vassoura da impostura, (…), chamando-o, por isso, de ignorante. A democracia existe também para os ignorantes, (…). Os que tentaram civilizar a humanidade segundo suas luzes produziram tiranias e cadáveres.

Vote, por exemplo, na pessoa disposta a não flertar com a inflação. Você é uma pessoa que se preocupa com os pobres. Não é uma escolha ideológica, embora não houvesse mal nenhum em fazê-la. É matemática. Se você achar que é Dilma, então é Dilma; se achar que é Aécio, então é Aécio. Os dois já se disseram contra a inflação. Você tem ainda o direito de votar contra a matemática e os pobres. A democracia é generosa.

Inflação não é tudo, eu sei. Então faça o seguinte: vote em quem não alimenta projetos delirantes de controle da imprensa, com mecanismos paralelos ou oficiais de patrulha e censura. (…) Se é Aécio, então é Aécio; se é Dilma, então é Dilma. Os dois prometem respeitar a liberdade de imprensa. Você tem o direito, sim, de votar em branco, de votar nulo ou de nem comparecer, abstendo-se e arcando com as consequências. Quem disse que, na democracia, deixar de optar também não é optar? Eu não faria isso. Mas não sou dono da sua opinião.

Proponho que você avalie outro critério: o respeito à democracia representativa. Que candidatura lhe parece mais alinhada com o sistema que produziu, até hoje, os regimes mais civilizados da Terra, conciliando liberdade com justiça social? É respeito à história. Se é Dilma, então é Dilma; se é Aécio, então é Aécio.(…) Não vou atirar fogo às vestes por isso nem posar de vítima. Vítimas profissionais e triunfantes me embrulham o estômago.

Você, como eu, pode estar com o saco cheio da roubalheira organizada e transformada em categoria política ("Rouba, mas produz justiça social"), que é "rouba, mas faz" que deixou a era do produtivismo e aderiu à onda do distributivismo. Se é Dilma que tem menos compromissos com a máquina institucionalizada do assalto aos cofres, seu nome é Dilma. Se é Aécio, então é Aécio. Ambos prometem ser duros com a corrupção.

Que tal escolher, então, a candidatura avessa a hordas de intolerância, que não excita a imaginação dos que se consideram donos da opinião alheia? Se é Aécio, Aécio. Se Dilma, Dilma. "Nesse caso,(…), a democracia permite que a gente seja intolerante e resolva as pendengas no braço?" Não, a democracia não permite isso, e, se é assim que você pretende agir, o seu regime é outro, e eu não tenho nada a lhe dizer, e você não tem por que perder seu tempo comigo. Se é assim que você pensa, vá se catar. Quase me esqueço: os dois candidatos dizem representar forças tolerantes.

Você ainda não escolheu? Seja livre e feliz e mande à merda os que se pretendem donos do seu voto. A democracia permite.

O autor do texto é Reinaldo Azevedo e o texto foi publicado hoje na Folha, recomendo ler na íntegra aqui aqui e o blog dele aqui.

Bom voto!

Fabricio Campos Zuardi

Read more posts by this author.

Subscribe to Egoísmo duplicado

Get the latest posts delivered right to your inbox.

or subscribe via RSS with Feedly!