Feliz 2017 (janeiro)

Feliz ano novo!!

Eu quase fiz um post de resoluções de fim de ano Dezembro passado.

Teria sido um post bem padrão, com essas listas de metas sempre muito parecidas: ler mais, emagrecer, aprender vim direito / me tornar um touch typist veloz, aprender uma língua, escrever mais, procrastinar menos, fazer mais dinheiro, voltar com a guitarra, publicar na Play Store, arrumar o apartamento, etc… Seria algo entre a minha super lista de 2008 ou meu recado curto de 2012

Mas enquanto divulgar nossas metas tem lá o seu lado legal, de compartilhar os planos, de reforçar aquela ideia do tema da Globo de que “hoje é um novo dia de um novo tempo que começou”, e etc… fazer isso tem também aquele lado chato inerente de toda e qualquer todo-list: o sentimento de culpa, ansiedade e incapacidade que só cresce conforme os dias vão se passando e os ítems, escritos num momento de otimismo máximo, continuam lá te assombrando.

Até que chega Dezembro e você se engana novamente:

— Ano que vem eu corro a São Silvestre!

Sem promessas

Ok, sem listas de resoluções então. Chega. Isso não funciona.

Qual a alternativa?

Sei lá, talvez eleger uma das possíveis resoluções e começá-la imediatamente. Levar adiante, por algum tempo e só então caso tenha progresso revelar. É mais gratificante mostrar uma mudança/progresso do que a promessa de uma.

E é por isso que estou escrevendo esse post de ano novo no começo de Fevereiro e não no fim de Dezembro.

Prioridade

É muito fácil para um programador ser sedentário, comer mal e alegar não gostar de exercícios ou de não ter tempo para atividades físicas. E este tem sido o meu perfil desde há pelo menos uns 10 anos. Terminei 2016 com absurdos 107.6Kg (que para minha altura é obeso) e muitos alertas de que sair desse sedentarismo deveria ser a minha principal meta.

Lembro de um dia frio ano passado quando acelerei um pouco o passo para chegar no escritório que fica a menos de 1km de casa, e uma vez lá um colega observou meu estado e perguntou em tom de espanto: "Você está suando!!??"

Outro dia de 2016, após a tarde toda em um churrasco, comendo absurdamente e bebendo consideravelmente, paramos numa farmácia na volta e o peso deu redondos 110… desde a minha entrada nos 3 digitos eu não me sentia tão gordo.

Estou com três sobrinhos, um deles pela idade e para minha sorte ainda não aprendeu a andar. Mas brincar com os outros dois é sempre um desafio ja que gostam muito de correr, pedir para agachar, pular e etc.

Falando em crianças, também ano passado houve um outro churrasco com uma área de vôlei de areia, eu numa dupla de adultos contra duas crianças do outro lado, faltou condicionamento, e as dores do dia seguinte foram chatas.

Ganhei de natal da minha mãe algumas bermudas, todas ficaram pequenas. Passei uma certa humilhação quando fui trocá-las na C&A, nenhuma das mais bonitas tinha nas numerações que eu precisava, e ao consultar um funcionário da loja ele disse "Ah, numeração 48 é ali no fundo" tive que me contentar com roupas menos estilosas.

Ah, e nem gosto de falar sobre camisas sociais, tudo hoje é slim fit, vá se foder…

Encontrei numa festinha também no fim de ano um amigo que não me via há muito tempo, ele comentou que eu tinha crescido muito (lateralmente) e perguntou quantos quilos eu tinha engordado desde o último encontro, parei para pensar e conclui que eu vinha numa crescente de ganhar uns 3 kg por ano ao longo de vários anos. Deu trabalho para chegar nesse peso, não foi da noite pro dia, e eu estou convencido que se minha lista de resoluções de fim de ano pudesse ter apenas um ítem, vencer o sedentarismo tinha que ser este ítem :)

2017 mês um

Pensei inicialmente numa academia, pesquisei preços, e aulas. Quase assinei um plano anual numa. Daí lembrei que estes ambientes tocam umas músicas dance-pop-insuportáveis e que o risco de intercalarem uns sertanejos universitários é alto. Desisti.

Por que ter música na academia? Por que impor o mal gosto de um sobre dezenas de pessoas que estão lá já a contra-gosto muitas vezes procurando melhorar a saúde?

Enfim, optei pela caminhada. É de graça, a cidade onde moro é plana, e se souber por quais regiões andar pode ser uma atividade bem silenciosa!

Comecei com meia hora por dia, minha estratégia foi: “eu ando 15 minutos em linha reta pela cidade e depois volto”. Simples! Posso até passar por algum supermercado ou quitanda na volta e comprar verduras, fazer comida em casa e com muita salada.

Depois do primeiro dia, ou de uma sequência de 2, 3 dias seguidos sem furar o compromisso tudo ficou mais fácil: aumentei para uma hora, depois aumentei o ritmo, encontrei uns 3 percursos diferentes, alguns com pistas próprias, comprei um tênis mais confortável, instalei app de fitness no celular, e o mais importante: consegui (eu acho) criar um hábito.

Desde que comecei a logar o tempo e distância dos meus passeios (6 de janeiro) até o dia 31, pratiquei 39 horas e 14 minutos de atividade física totalizando 201,31km.

Janeiro para mim foi um bom mês para começar novas rotinas. Estar na entre-safra de freelas (aka desempregado) ajudou também.

E caminhar não foi o único habito que consegui criar, estou firme no italiano no Duolingo (11%), consegui cortar o Facebook por completo da minha dieta e passei a ler mais e longe ta tela do computador / celular. Comprei um kindle e consumi um romance de cabo a rabo, entre outros textos menores.

Que venham os próximos 11!

PS: Meu peso hoje está em 104kg.

foto: Grilled Raspberry-Chipotle Chicken Salad by alanagkelly

Fabricio Campos Zuardi

Read more posts by this author.

Subscribe to Egoísmo duplicado

Get the latest posts delivered right to your inbox.

or subscribe via RSS with Feedly!